De um apartamento à maior escola de programação de Minas Gerais

A história da Buddys é como um clássico filme de superação e força de vontade! Marlon, um dos fundadores, encontrava-se na França estudando engenharia elétrica, quando percebeu a deficiência em lógica e programação por parte de seus colegas, tanto do Brasil quanto da universidade francesa. Inquieto com a situação, pesquisou e descobriu que o país da torre Eiffel já havia entendido como essa deficiência era de extrema importância para o desenvolvimento tecnológico e até social, e, por isso, havia aprovado uma lei que implementaria o ensino de programação nas escolas. Inspirado com esse exemplo, Marlon voltou para o Brasil com sede de empreender e mudar o futuro da educação do país. Seus irmãos, Marcelo e Matheus, e seu primo, Breno, se inspiraram com o sonho do Marlon e decidiram começar a revolução do único espaço que tinham: seu apartamento. 

Então, a Buddys nasce num primeiro momento com o nome de Pequenos Cientistas e a família vai de escola em escola apresentar seu sonho para os pais que também viam na programação um caminho para o futuro. Com muito cuidado e atenção, eles montam mesas coloridas e põem computadores na única sala vaga da casa. Os pais foram sendo conquistados pelo entusiamo e proposta do Pequenos Cientistas até que, durante o primeiro Programadores do Futuro, que foi realizado num hotel, esses pais se surpreendem: eles não imaginavam quem numa salinha de um apartamento coubessem 40 alunos! Foi o primeiro Programadores do Futuro e já foi grande! Graças à metodologia inovadora, numa pequena sala com até 6 alunos por professor e uma aula por semana, era possível mudar a vida de dezenas de crianças adolescentes.

O sucesso desse método e a garra de seus fundadores criou o que agora é a Buddys! Somos uma escola inovadora que quer ver nossos alunos mudando o mundo. Por isso, somos amigos dos líderes do futuro. Em todas nossas unidades, prezamos pelo empreendedorismo, pela criatividade e pela tecnologia pois sabemos que são as ferramentas da transformação. Se os jovens de hoje estão altamente conectados, por que não ensiná-los a serem criadores ativos em vez de usuários passivos? Por que não ensiná-los a mudar o mundo para melhor? É por isso que os ensinamos a criar os próprios jogos, aplicativos, sites e robôs, mostrando que crianças e adolescentes são capazes de criar tudo que suas mentes imaginarem 😉